sexta-feira, 30 de maio de 2014

Todos podem mudar o plano, não precisa explicar


Não mude o mundo. Só mude postura, atitude e o destino dos outros.

Eu não sei porquê, mas de certo modo já me arrependo de ter escrito tudo o que eu escrevi nessa página. Principalmente porque eu sei que muito falei e quase nada disse em todos esses textos. Sim, talvez algumas coisas que fariam você se sentir envolvido, mas provavelmente sem em momento algum tomar partido de alguma coisa. Eu ainda não consegui por pra fora em palavras escritas o verdadeiro e real motivo que me fez ir embora daqui, me fez voltar e me fez escrever.

Ótimo, eu não tive coragem de por ao menos uma foto da Luz da Manhã aqui e olha que eu não tenho poucas. Pois bem, se ela tivesse lido algumas dessas frases de qualquer um desses textos, aqui ou no Facebook ou em qualquer outra rede social ela com certeza se reconheceria. Eu estou a mais de um mês morando sozinho e procurando o jeito certo de corrigir o mal que me fizeram.

Aquela melhor amiga da Luz da Manhã, que em tese também é minha melhor amiga e eu vou chamar de Cor Secundária (não me pergunte o porquê, a resposta é tão obvia que eu não daria) e o namorado da Cor Secundária, que eu já citei por aqui: o Caixinha Quebrada, “dude more” da galera, meu “drugui”. Eram com essas pessoas que eu passava mais tempo do que com minha família antes de sumir de Curitiba. Eu fiquei sem contato nenhum com eles enquanto estive fora e eu ainda não avisei nenhum deles que eu cheguei esperando que eles descobrissem através disso aqui e que a Luz da Manhã pudesse refletir o que ela fez de maneira justa.

Blog, página no Facebook. Eu não tenho perfil de usuário naquela merda pra chegar direto em cada um deles e esfregar o link na cara e a ideia também nunca foi essa, acontece que o tempo ta passando, esta cidade está um caos por causa desse maldito evento destruidor de sonhos e eu estou trancado em um quarto, lendo e escrevendo, observando, calculando, mas eu ainda me sinto um alienado porque eu não fiz absolutamente nada, não efetivamente.
Chegou a hora de eu olhar no olho dessas pessoas e me livrar do mal estar que eu sinto, eu decidi que não preciso esperar chegar neles ao acaso. Eu decidi que eu vou voltar de verdade. Eu vou avisar eles, eu vou conversar com eles, eu vou resolver tudo o que aconteceu. Eu vou terminar aqui em Curitiba a obra interminada que eu tive que sumir pra conseguir concluir e seu sei que realmente isso não importa porque isso aqui nunca foi entorno que vender nada, não tem preço algum.

O fato é que me faz bem então escrever aqui que quando eu estiver com essas pessoas e tudo estiver esclarecido, eu vou voltar pra dizer tudo o que aconteceu e com prazer vou mostrar provas e até colocar o nome real de cada uma dessas pessoas.


Por ora é isso, pode voltar pra sua distração sem efeito.