domingo, 4 de maio de 2014

Talvez se não puder entender, nunca consiga explicar.


Distração responsiva é o nome. O significado da segunda palavra e a analogia em torno dela é algo pra ser entendido mais a diante, junto a outras coisas que você vai – ou já está descobrindo - no meio disso tudo aqui, então por ora vamos ficar somente com a palavra distração.

Distração. Se você, hipoteticamente, não soubesse o significado desta palavra, você muito provavelmente poderia se distrair enquanto caminha até uma gaveta para pegar um dicionário e matar a sua curiosidade, distrair-se com a visão através de uma janela de um gato que caminha furtivamente em direção à um pardal, cujo pequenino cérebro ao mesmo tempo se distrai com alguma outra coisa, talvez o ritual maquiavélico de uma mosca que esfrega uma “mãozinha” na outra enquanto elabora um plano terrível para suas 24 horas de vida. Não, infelizmente HOJE, tanto pra quem lê tanto pra quem escreve ou pra quem elabora um plano terrível enquanto esfrega uma mão na outra mesmo que só mentalmente, se estivermos falando de seres humanos e se eles nasceram de 88 pra cá, DISTRAÇÃO, com certeza significa outra coisa
.
Disse: “nenhum ser humano pertence a outro”. A Luz da Manhã dizendo pra mim. A gente tinha terminado uma há nem 5 minutos e eu ainda suava enquanto dava um tempo com o velho frigobar aberto antes de pegar o chá de limão que ela comprava mesmo sabendo que eu detesto bebidas que misturam doce com acidez.

Distração. Eu quase consegui escrever um texto todo falando sobre tudo isso, que envolve sim a Luz da Manhã e outras pessoas que eu também ainda não vou dizer o nome, mas a porcaria do meu telefone fez barulho e quando eu li - só virando o olho para o canto da cama - a mensagem escancarada na tela, eu inevitavelmente lembrei um compromisso que eu tenho ainda esta noite e ao voltar os olhos para o texto e não pude evitar pôr pra fora mais uma lembrança.

Distração Responsiva. Deixamos de lado mais uma vez o conceito, talvez não seja eu a melhor pessoa pra explicá-lo. Eu sei de uma coisa, o que eu estou fazendo: página no Facebook, esta porcaria de blog na internet, isso é só o começo. Agora, se você não é uma garota que conseguiu, com ajuda de outras pessoas, marcar do jeito mais traumático a vida de um cara que nunca fez nada pra ninguém então você não precisa se preocupar. Já se você de repente estiver namorando essa garota agora, só torço para que não passe o que eu passei e aconselho que continue lendo o que eu to escrevendo porque talvez se não puder entender, nunca consiga explicar.

Distração, a minha distração, a sua a de várias outras pessoas até eu chamar a atenção dela, mostrar tudo o que eu tenho - impresso e virtual - pra provar que algumas daquelas coisas que ela costumava dizer de voz mansinha logo depois do sexo não são só mentiras, são pensamentos que levam a ações que talvez a justiça ainda não saiba lidar tão bem, e que nem revolução nem marco civil vão evitar que jamais aconteçam de novo, afinal, muitos daqueles envolvidos com a justiça talvez conheçam a distração, alguns talvez até saibam explicar o que é distração responsiva.

Dia 4, do 5º mês de 2014.O desfecho de tudo isso aqui está próximo então eu aconselho que enquanto isso, você seja a pessoa que chega até a gaveta pra ler o significado de algo que desconhece e não a que se perde somente entre atualizações insignificantes vindas em forma de “push” no celular. Que você não seja o pássaro que o meu gato decapitou com uma dentada nem muito menos a mosca que só esfrega uma mão na outra e nada faz de mais relevante